NOTÍCIAS
18/04/2016
Hospitais filantrópicos e Santas Casas amargam dívidas de R$ 1,4 bilhões

Na quinta-feira, 14 de abril, aconteceu em Porto Alegre a mobilização “Juntos Somos Mais”, promovida pela Federação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos do RS e Federação dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde do RS. O objetivo foi apresentar a crítica realidade das instituições que estão sofrendo cortes nos seus orçamentos e atrasos constantes nos repasses dos recursos, tanto por parte do Governo Federal quanto do Estadual.

As dívidas acumuladas pelos hospitais alcançam um valor histórico de R$ 1,4 bilhões. O corte de R$ 300 milhões ocorrido com o final do IHOSP (programa de co-financiamento hospitalar) foi uma das principais reivindicações da mobilização. Esse corte agravou ainda mais a permanente crise do setor hospitalar filantrópico.

Após a mobilização, as entidades envolvidas divulgaram uma “Carta de Socorro” destinada às autoridades públicas, pacientes e sociedade em geral. Acompanhe abaixo a Carta na íntegra:

CARTA DE SOCORRO: não permita a morte do SUS, das Santas Casas, dos Hospitais Filantrópicos, dos empregos e de seres humanos

A rede hospitalar sem fins lucrativos do Estado do Rio Grande do Sul, constituída por 245 hospitais, responsáveis por mais de 73% de toda a assistência prestada ao Sistema Único de Saúde do RS, conjuntamente com os seus 65 mil trabalhadores com vínculos formais, vêm diante de todos exclamar por socorro e solicitar medidas emergenciais.

Como é público e notório, o subfinanciamento do SUS, crescente de longa data, apesar de todos os esforços de sensibilização e responsabilização dos gestores públicos, está impondo derradeiros momentos de funcionalidade das instituições e fatal processo de desassistência da população, já existente.

Dezenas de hospitais no RS já entraram em colapso, 18 mil trabalhadores estão recebendo salários atrasados, 5 mil trabalhadores saíram em férias e não receberam conforme a legislação, 6 mil trabalhadores foram demitidos, 3.500 leitos fechados, mais de 4 milhões de procedimentos deixaram de ser realizados, 60% das instituições têm dívidas com os profissionais médicos, entre outras informações. O endividamento total destas Casas de Saúde no Rio Grande do Sul já ultrapassa R$ 1,4 bilhões.

Os municípios gaúchos também estão sofrendo com atrasos nos repasses dos programas e não têm mais o que fazer frente aos seus limitados recursos. Já o Estado passou a ignorar e confrontar esta realidade posta e distanciou-se, definitivamente, das necessidades assistenciais da população. Extinguiu o co-financiamento estadual, atrasa permanentemente repasses de recursos ordinários, promove parcelamento, não tem calendário definido de pagamentos, mantem em filas virtuais milhares de pessoas necessitando de acesso a especialidade e procedimentos. Até quando, Governador Sartori?

A União também relegou o Sistema Único de Saúde para o final da fila de seus interesses. Reduz orçamentos da saúde a cada ano, distribui mal o pouco recurso existente, pratica rotineira descontinuidade de políticas para o setor, brutalmente impõe tabela defasada para contraprestação, superior, em média, em mais de 150% na assistência da média complexidade. No país já foram fechados 218 hospitais sem fins lucrativos, 11 mil leitos e 39 mil postos de trabalho, a dívida nacional do segmento filantrópico ultrapassa R$ 21 bilhões. Até quando, Presidente Dilma?

Para mudar esse cenário somente com mobilização social e com vontade política para priorizar a saúde. A população está cada vez mais sob única responsabilidade das Santas Casas e dos Hospitais Filantrópicos e seus funcionários que, exauridos, estão adoecendo e alguns abandonando a profissão, deixando as instituições enfraquecidas. Dor e perdas irreparáveis de vidas humanas não fazem parte das mentes governamentais, isto se vê todos os dias pela imprensa.

Por isso tudo, as instituições e os profissionais que nelas ainda trabalham, vêm clamar veementemente para que os Órgãos Públicos constituídos interfiram nesta realidade, buscando soluções responsáveis, definindo um calendário de repasses, retomando tanto a regularidade dos pagamentos dos programas de saúde quanto o co-financiamento do Estado, com isso afastando as mortes anunciadas. Da mesma forma, apelamos em nome da população usuária do Sistema Único de Saúde que hoje amargam longas esperas por consultas e procedimentos especializados. 

Porto Alegre, 14 de abril de 2016.

Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes, Religiosos e Filantrópicos do RS

Federação dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde do RS

Frente Parlamentar de Apoio às Santas Casas da Assembleia Legislativa do RS

OUTRAS NOTÍCIAS
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
CENTRO DE DIAGNÓSTICO
54 3344.3711
Exames
HSA
54 3344.3700
Informações
CORPO CLÍNICO
Consulte a lista completa
MATERNIDADE
Veja as fotos dos recém nascidos
TAPCARD
CENTRO DE DIAGNÓSTICO
 
Rua Tranquilo Basso, 270
CEP 99.950-000 - Tapejara/RS
54 3344.3700
 
INICIAL
O HOSPITAL SANTO ANTÔNIO
PRONTO ATENDIMENTO
TAPCARD
CENTRO DE DIAGNÓSTICO
COLONOSCOPIA
DENSITOMETRIA ÓSSEA
ENDOSCOPIA DIGESTIVA ALTA
MAMOGRAFIA
 
RAIO X
RETOSSIGMOIDOSCOPIA FLEXÍVEL
ULTRASSONOGRAFIA
CORPO CLÍNICO
NOTÍCIAS
MATERNIDADE
CONTATO
LICITAÇÕES
 
Copyrigth 2013 © Todos os direitos reservados - HSA - Hospital Santo Antônio. contato@hsasaude.com.br
Desenvolvido por: